Sobre

NÃO DESISTA AINDA! 😉

Já faz alguns anos, que tenho dentro de mim um grande desejo de compartilhar com mais pessoas minha experiência de conviver com um adicto em tratamento. E acredito que hoje, eu consegui atingir um pouquinho dessa maturidade, apesar de ainda ter muito para aprender e evoluir.

Em outubro de 2014 quando soube, passei por diversas fases:

Negação: Quem? meu marido? Jamais… Isso acontece apenas com outras famílias, meu esposo não… Não é “perfil” dele. Deve ter sido apenas um deslize…

Auto engano: Certeza que foi apenas um deslize, meu esposo, com graduação, especialização e um bom cargo profissional jamais se envolveria em algo assim.

Desespero: Ver que tudo aquilo era real e estava acontecendo com o MEU marido. Sentimento de raiva e desespero se misturavam, foi quando vi que não estava “preparada” para aquilo, mas quem está preparada não é verdade? Meu desespero e sede de ajudar não se entendiam e esses sentimentos viraram uma loucura dentro de mim. Os pensamentos se misturavam em: “onde foi que eu falhei como esposa para que ele buscasse fuga nisto” com “isso é falta de vergonha de cara”. Por diversas vezes, me peguei agredindo meu esposo verbalmente e fisicamente em total ato de desespero, perdida, sem saber o que fazer, tomei as atitudes mais erradas possíveis, afastando cada vez mais meu esposo de mim.

Aceitação e entendimento: Hoje me encontro nesta fase, após 3 anos, pude entender um pouco sobre a dependência química. Aprendi que muitas pessoas não buscam ajuda, justamente pela forma que nós olhamos para eles, pelo julgamento e desprezo. Eu nunca imaginei na minha vida, que eu passaria por algo assim e sabe porque? Por ter em mente a imagem de um dependente químico como uma pessoa sem lar, sujo, fedido, sem estudo, sem instrução… Total ignorância.
Meu Deus…Como eu estava altamente enganada! A dependência química é uma doença como tantas outras, ela não possui uma cura milagrosa, mas ao contrario do que muitos pensam, ela pode ser tratada e apesar das estatisticas serem cruéis, eu vim aqui para te dar esperança!

Se o adicto desejar, ele pode sim ter uma VIDA, uma vida de verdade longe de todos os vícios que fazem tanto mal para si. Assim como o diabético ao tomar insulina consegue ter uma vida serena e feliz o adicto também pode fazer o mesmo, buscando ajuda através do NA (narcóticos anônimos), psiquiatria, remédios, enfim são diversos caminhos. Porém, repito, quem precisa querer essa ajuda é o adicto, ele apenas irá parar com o uso, quando ele decidir dentro de si que realmente não quer mais aquilo para a vida dele, esse sentimento não pode ser de auto engano. Quando essa decisão acontecer, aí entra sua parte, como apoiadora!

Então minha querida, se você chegou até esse blog e está lendo isso agora eu quero te dizer que tem SIM como ser feliz ao lado de um adicto e que existe sim uma VIDA linda por trás de tudo isso.

Aqui você encontrará apoio, consolo e esperança. Aprenderá junto comigo, (pois também estou em constante aprendizado), como auxiliar o seu amado sem ficar doente, isso mesmo, sem adoecer, vou falar muito sobre a co-dependencia, de como nós adoecemos sem perceber e na co-dependencia além de não ajuda-los em nada, estamos nos auto destruindo. E isso não pode acontecer, amamos nossos esposos, mas não podemos permitir que o amor próprio seja inferior ao amor que sentimos por eles.

Importante ressaltar, que cada caso é um caso. Portanto podemos ajudar apenas quem quer ser ajudado.
Eu não estou aqui para dizer que você precisa aceitar esse relacionamento, pois a luta é árdua, você é livre para traçar seu caminho, estou aqui para dizer que se você ama uma pessoa que independente da razão, se envolveu com algum tipo de droga, você pode auxilia-lo e acredite seu apoio fará muita diferença.
Um dia de cada vez, vamos lá?

Não desista até ler sobre as experiências que tenho para compartilhar com você!